top of page

Guerra na Ucrânia: o que as micronações podem fazer?

Depois da hora das declarações de apoio e condenação, há a hora das ações. Quais podem ser?


Desde o início da guerra na Ucrânia, a maioria das micronações condenou a decisão do presidente Putin de invadir um estado soberano. Alguns ficam do lado da Ucrânia e outros defendem a paz e o fim das hostilidades, colocando os beligerantes lado a lado. De qualquer forma, nenhuma micronação se declarou a favor do presidente russo e todas fazem a distinção entre o povo russo que não é necessariamente unânime com a decisão de seu presidente.


Agora que todos esses pontos de vista foram expressos, o que as micronações podem realmente fazer? Várias coisas se olharmos para certas declarações que apareceram nas redes sociais e nos sites de várias micronações.


A angariação de fundos de organizações humanitárias é uma primeira opção escolhida em particular pelo Principado de Aigues-Mortes. O Ministério das Relações Exteriores enviou um e-mail a todos os cidadãos do Principado com uma lista de fundos humanitários para os quais as doações podem ser feitas. Esses fundos são usados ​​principalmente para o fornecimento de alimentos, roupas e equipamentos médicos.



O boicote de fornecimentos feitos na Rússia é uma segunda opção que vem sendo aplicada pelo Principado de Woodlandia localizado no Canadá. Esta micronação suspendeu a compra de suas bandeiras de seu fornecedor russo. A House of DeHerrera também assumiu esse compromisso em um discurso em vídeo de seu rei William da Embaixada de Queen Creek no Arizona.


Uma terceira opção é participar ativamente das manifestações públicas planejadas por Lord Watitune, Chefe de Estado das Ilhas New Weddington. Ele convidou alguns de seus concidadãos para se juntarem a ele neste processo. O objetivo é mostrar apoio e solidariedade à comunidade ucraniana expatriada residente em Canberra, na Austrália. Juntos, eles se juntarão a palestrantes da comunidade ucraniana em Canberra, bem como parlamentares e líderes de organizações de direitos humanos para denunciar a violência na Ucrânia. A nomeação é feita para sexta-feira 11 de março em um parque em Canberra.


Uma última opção é a assistência direta oferecida pelo Embaixador do Grão-Ducado de Flandrensis na Hungria aos cidadãos da micronação que necessitam de acomodação temporária. De sua parte, o Grão-Duque Nicolau de Flandrensis deu um bom exemplo ao entrar em contato pessoalmente com cada um de seus compatriotas russos e ucranianos por e-mail. Ele se certificou de que cada um deles estava seguro e saudável.



Com este conflito dramático entre dois países irmãos, as micronações estão enfrentando seus limites. Nesse contexto, não se trata mais de desenhos de uniformes militares e entrega de medalhas. Em vez disso, trata-se de ações, ideias e soluções para demonstrar a utilidade das micronações e sua capacidade de desempenhar um papel humanitário.


Acabamos de mencionar algumas opções que demonstram que várias micronações já estão reagindo para prestar assistência de acordo com suas possibilidades. As micronações oferecem espaço universal e criatividade ilimitada. Portanto, podemos esperar que venham outras iniciativas humanistas que mostrarão que os micronacionalistas podem fazer a diferença.




8 vues0 commentaire

Comments


bottom of page