top of page

A sustentabilidade das micronações: entre o efêmero e a continuidade

A questão da sustentabilidade das micronações está intimamente ligada ao desejo dos seus fundadores de animá-las e fazê-las durar. Na maioria dos casos, é complexo para uma micronação sobreviver ao seu criador. Contudo, exemplos de transferência de poder entre fundador e sucessor provam que a sustentabilidade de uma micronação é possível.


Nesta foto de Theo Denker, três gerações de Príncipes de Sealand estão representadas.

Sucessos notáveis ​​incluem o de Seborga, uma micronação na Itália. Após a fundação de Giorgio Carbone, a cidade organizou eleições democráticas para escolher o seu Soberano. Desde então, Seborga conheceu três Soberanos sucessivos: Luigi I, Marcello I e depois Mina, que atualmente está à sua frente.


Outro exemplo significativo é o de Christiana, na Dinamarca. Esta micronação no coração de Copenhaga funciona desde a sua criação em 1971 com uma igreja colegiada governada por um sistema de governação específico. Graças a esta estrutura, Christiana manteve a sua existência muito além da dos seus criadores.


Ainda na Escandinávia, a Ladonia, outra grande micronação, criada por Lars Vilks, também ilustra esta transição bem-sucedida. Depois que Vilks renunciou ao cargo de chefe de sua micronação, o gabinete de ministros organizou uma votação que levou à entronização da atual Rainha Carolyn em setembro de 2011.


SCOOP MICROCOSME.INFO: Espera-se que Sua Alteza o Príncipe Jean-Pierre IV de Aigues-Mortes dê uma conferência de imprensa relativa à sua sucessão nos próximos dias. Informação transmitida pelo palácio principesco de Aigues-Mortes.

Nos exemplos de continuação pela via democrática, o Principado de Aigues-Mortes deverá, durante o ano, propor aos seus cidadãos um voto de aprovação à sucessão ao trono. Nesta micronação, é o Soberano quem, caso não tenha herdeiro por descendência, deve selecionar um herdeiro que deverá então ser aprovado por voto da Assembleia Geral dos cidadãos.


SMI Imperador Ivan VII Aleksandrovych de Pavlov

As transições de poder nem sempre são objecto de um processo democrático sem que isso represente um problema para os cidadãos das micronações em causa. Tomemos o exemplo do Império de Pavlov, fundado em julho de 2012. Esta micronação, baseada numa monarquia absoluta inspirada na Rússia Imperial, viu o seu fundador, o todo-poderoso imperador Alexandre IV, decidir não exercer mais atividades micronacionais. Em vez de deixar seu império cair no esquecimento, ele optou por nomear e instalar um amigo próximo como seu sucessor. Assim, hoje, sob o reinado de Ivan VII Aleksandrovych, o Império de Pavlov mantém a sua sustentabilidade graças a esta transição planeada.




Curiosamente, a grande maioria das micronações adopta regimes monárquicos, reflectindo a preocupação dos fundadores em manter o controlo sobre a sua criação, tal como o próprio Deus continua a fazer sobre o mundo. Esta tendência verifica-se especialmente entre micronações como o muito famoso Principado de Sealand, onde a tradição hereditária específica das monarquias permitiu a manutenção da sua existência.


Na verdade, existem poucas diferenças com as grandes monarquias europeias, excepto que por vezes o herdeiro designado nem sempre está armado ou motivado para assumir o papel. É o caso do falecido Principado de Hutt River, na Austrália, que só sobreviveu 3 anos e 6 meses após a abdicação do seu fundador, o Príncipe Leonard. Este exemplo gelou o sangue de vários monarcas micronacionais que hoje estão bem conscientes da necessidade de preparar adequadamente as suas sucessões.

Príncipe Leonard de Oito Rios (à esquerda) e seu filho, Príncipe Graeme (à direita), último e efêmero Soberano deste principado australiano. O príncipe Graeme governou o rio Hutt de 11 de fevereiro de 2017 a 10 de agosto de 2020.

Em conclusão, as micronações revelam um equilíbrio delicado entre o desejo dos fundadores de vê-las sobreviver e os mecanismos implementados para garantir a sua sustentabilidade. Embora o desaparecimento dos fundadores possa representar um desafio à sua sobrevivência, exemplos como Seborga, Christiana e Sealand ilustram diferentes abordagens que permitiram que estas entidades atravessassem gerações. Em última análise, a sustentabilidade das micronações depende da sua capacidade de adaptação e evolução ao longo do tempo, preservando ao mesmo tempo o espírito e a visão dos seus fundadores.







7 vues0 commentaire

Posts récents

Voir tout

Comments


bottom of page