top of page

A evolução dos YAMOs

São inúmeros os novos micronacionalistas que, em sua explosão de criatividade, chegam a propor novos grupos micronacionais nas redes sociais ou novas alianças micronacionais. Essas tentativas são chamadas pelos mais antigos de: YAMO (Mais uma organização micronacional). Eles geralmente têm muito poucas chances de alcançar o sucesso real.


Os grupos da plataforma Discord praticam uma comunicação mais espontânea e direta do que os grupos institucionais.

Deve-se entender que as micronações em sua maioria são criações individuais ou o resultado de pequenos grupos de indivíduos. De certa forma, criamos uma micronação para ter nosso próprio mundo. Alguns preferem manter sua liberdade total e completa a se envolver em organizações nas quais seriam impostos princípios e posições que eles não necessariamente gostariam de seguir. As organizações são, portanto, muito complicadas de implementar.


Deve-se notar também que as únicas organizações que resistiram ao longo do tempo são a AMU e a Microfrancofonia, duas organizações nascidas de sérios conflitos que exigiram uma coalizão para chegar a um acordo e/ou defender posições com mais força.



A organização Microfrancophonie reuniu-se em Blaye (perto de Bordéus) para a sua 3ª cimeira. Este encontro foi organizado pelo Principado de Helianthis.

Há algum tempo, jovens micronacionalistas usam novas plataformas como o “Discord”. Há muito mais grupos lá hoje do que na tradicional rede original do Facebook. É, portanto, para estas novas aplicações que os YAMOs proliferam.


No Facebook, os grupos de micronações muitas vezes administrados pelas micronações históricas resistem mesmo que as trocas e os debates não sejam mais realmente atuais. Podemos constatar que os posts são publicados pelas mesmas pessoas na maioria das vezes e que os poucos comentários e “likes” evidenciam um desinteresse ou um cansaço que seria bom ter em conta para relançar o diálogo e uma dinâmica.


Resta, porém, um aspecto muito apreciável dentro dos grupos históricos no Facebook, é a contenção das palavras. Nesses espaços, vale a diplomacia, senão, cuidado com toda a comunidade. O bloqueio do desdém amplificado do Imperador de Stormaria é um bom exemplo disso.


Diante disso, os jovens micronacionalistas da discórdia parecem mais dinâmicos e gozam de total liberdade de expressão, o que inevitavelmente leva a trocas acaloradas e condenáveis ​​de tempos em tempos. É aqui que os grupos de discórdia não podem competir em termos de institucionalismo. Para ser levado a sério e tornar-se “Um lugar para se estar”, é preciso primeiro conquistar um prestígio que só se obtém com o respeito e a capacidade de ser observado por todos.


O Microcon é uma das raras oportunidades de encontros micronacionais entre gerações.

As YAMOs, portanto, têm bons dias pela frente com as novas plataformas de negociação mais permissivas. No entanto, não podem ser consideradas como instituições nas quais encontramos os pioneiros do micronacionalismo. Cada um fará sua escolha de acordo com o prestígio e o respeito que deseja obter dos demais para sua micronação.


O ideal seria, no entanto, encontrar nos grupos institucionais uma qualidade de diálogo que os gestores fariam bem em estimular para evitar o tédio e a indiferença cada vez mais observados em seu grupo. Levante-se os sábios!




5 vues0 commentaire

Comments


bottom of page